Fortaleza, Quarta-feira, 27 Janeiro 2021

Pesquisar

Alcance ENEM

Combate COVID-19

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Advogados protestam mas urgência é aprovada - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Sexta, 14 Outubro 2016 04:26

Advogados protestam mas urgência é aprovada

Avalie este item
(0 votos)
Grupo de advogados liderado pelo presidente da OAB do Ceará, Marcelo Mota e pelo Conselheiro nacional da Ordem, Ricardo Barcelar, protestou no plenário e nas galerias da Assembleia, contra o aumento das custas Grupo de advogados liderado pelo presidente da OAB do Ceará, Marcelo Mota e pelo Conselheiro nacional da Ordem, Ricardo Barcelar, protestou no plenário e nas galerias da Assembleia, contra o aumento das custas ( FOTO: THIAGO GADELHA )
Advogados cearenses voltaram a pressionar os deputados estaduais, ontem, na Assembleia Legislativa, para adiarem a votação do projeto de iniciativa do Tribunal de Justiça do Ceará, aumentando as custas judiciais. A matéria, contudo, será votada em regime de urgência, após a aprovação de requerimento para permitir que a proposição seja aprovada na próxima semana.   Os advogados eram liderados pelo próprio presidente da seção cearense da OAB, Marcelo Mota, e por um dos conselheiros nacional da Ordem, Ricardo Bacelar. Com objetivos diversos, também estavam na Assembleia, pressionando os deputados, representantes do Ministério Público e da Defensoria Pública. Enquanto os advogados reclamavam das elevadas taxas propostas pelo Tribunal de Justiça para os processos, os integrantes do Ministério Público defendiam a aprovação da matéria e os Defensores reclamavam a votação de um antigo projeto deles, ainda do semestre passado.   A matéria do Tribunal referente às custas judiciais foi também movido de discussão, na parte da tarde de ontem, na audiência pública com a participação de advogados e os demais interessados na proposição. Ficou sem discussão, o aumento de 5% nos serviços cartorários, proposto pelo próprio Tribunal de Justiça.   Impacto   Observados das galerias e de dentro do Plenário, parlamentares subiram à tribuna para defender o pleito dos advogados e se posicionarem contrários ao aumento das custas judiciais, o que pode acontecer, na próxima semana, caso seja aprovado o projeto encaminhado pelo Tribunal de Justiça à Assembleia.   Com havia feito na terça-feira, Renato Roseno (PSOL) discursou para afirmar que ampliar os valores dos custos processuais causará impacto diretamente na parcela mais pobre da população. "Esse reajuste vai tornar a Justiça proibitiva para os mais pobres", mesmo argumento utilizado pelos advogados.   Segundo o parlamentar, o projeto de lei do Tribunal de Justiça do Estado, surge no momento errado, quando justamente ocorre Brasil afora violação de direitos através de instrumentos como a PEC 241, que congela investimentos em áreas importantes como a saúde, educação e assistência social.   "Este é o momento em que se requer atenção especial ao sistema de Justiça para a recomposição dos direitos violados. O que acontece com essa crise econômica é a destituição de direitos, que promove mais conflitos e maior violação de direitos. Com isso, o sistema de justiça sofrerá maior pressão para reparação dos direitos", apontou.   Onerar   Roseno frisou que o Governo, em vez de reduzir os ganhos do sistema financeiro, que favorece pouco mais de 10 mil famílias no País, prefere onerar ainda mais os pobres. "Pior é quando o aparato estatal promove a negação de direitos. O debate sobre a Justiça talvez seja um exemplo. Em vendo a parte se vê o todo. O aumento das custas judiciais, ou quaisquer tentativa de e aumento que onera as famílias revela o cerne da crise econômica numa arquitetura que salvaguarda o capital financeiro".   Para exemplificar as consequências que a PEC 241, aliada à proposta do Tribunal de Justiça possa acarretar nas famílias cearenses, ele lançou a hipótese de uma mãe que não tenha assegurado pelo Estado a medicação de um filho doente.   "Ela vai brigar na Justiça pelo medicamento, vai judicializar a saúde na medida em que ver seus direitos violados. Mas o que se encontra aqui na Assembleia é uma contradição inescapável. Quando aumenta as custas judiciais não afeta apenas os grandes escritórios de advocacia, vai onerar o orçamento doméstico e as pessoas vão para a Defensoria Pública, que também tem a sua demanda por incremento".   Com grande representação acompanhando os discursos das galerias (outra parte estava no plenário), advogados gritaram palavra de ordem e até insultos contra o deputado Fernando Hugo (PP), que da tribuna se posicionou favorável à votação da urgência na tramitação da mensagem uma vez que, segundo apontou, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE) teria conhecimento do seu teor.
Lido 1657 vezes

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

Os "profetas" apontam chuvas acima da média para 2021, enquanto os meteorologistas apostam que as precipitações serão abaixo da média no Ceará. Qual sua opinião?


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500