Fortaleza, Sábado, 26 Setembro 2020

Pesquisar

Alcance ENEM

Combate COVID-19

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Repercussão de Milagres reflete em pronunciamentos de parlamentares - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Segunda, 17 Dezembro 2018 05:27

Repercussão de Milagres reflete em pronunciamentos de parlamentares

Avalie este item
(0 votos)
O município de Milagres, a 485 quilômetros de Fortaleza, foi cenário de uma tragédia no início da última semana, quando 14 pessoas foram mortas em uma tentativa de assalto a banco, em decorrência de um embate entre assaltantes e policiais. Ao longo da semana, o assunto não apenas repercutiu nacionalmente, como também pautou movimentação nas casas legislativas do Estado.   A deputada estadual Fernanda Pessoa (PSDB) solidarizou-se com as famílias e amigos das vítimas. A parlamentar, na ocasião, ressaltou que está cansada de clamar na tribuna por mais políticas de segurança, com ações de inteligência a fim de barrar crimes como esses. “Os moradores relataram terem presenciado cenas de guerra e terror e continuam muito assustados com a gravidade do que aconteceu. O crime organizado está cada vez mais forte e tem armas mais potentes que a própria polícia”, avaliou.   O deputado Fernando Hugo (PP), por sua vez, parabenizou a colocação da colega, avaliando que é necessário “frieza” na situação. “O caso foi notícia em todo o País e lamentamos muito como tudo aconteceu. Ao mesmo tempo, parabenizo o governador por afastar os policiais para investigação e a senhora, que soube analisar a situação com frieza e pede nossa colocação sobre o assunto. Acredito na versão de que os policiais não sabiam da existência dos reféns”, disse. A defesa mais frequente nos plenários, no entanto, foi relativa à atuação dos policiais no caso e a reação que parte da sociedade tem tido a isso. Para Capitão Wagner, é preciso esperar os resultados das investigações, de modo que jogar a culpa para os policiais é uma atitude precipitada. “O que sabemos é que não estava à disposição dos policiais os equipamentos necessários para facilitar a visualização noturna e também não sabiam da existência de reféns. Se há algum culpado, não pode ser quem estava no enfrentamento”, avaliou.   A deputada Dra. Silvana (PR) afirmou que os grandes culpados por todas as vítimas são os bandidos. “Os policiais não tinham como enxergar reféns a noite e com chuva. Desejo que esse afastamento dos policiais seja para sua recuperação psicológica e investigação dos fatos”, colocou. De acordo com a deputada, o assunto é doloroso e fere as famílias de todas as vítimas, mas o trauma dos policiais envolvidos na ação não pode ser desconsiderado. “São seres humanos também, guerreiros do dia a dia e que já salvaram diversas vidas. Então, me revolta ver publicações acusando a polícia do Estado de criminosa e tantas outras atrocidades, quando os grandes culpados de todo este episódio serão sempre os bandidos”, apontou.   O vereador Soldado Noelio (Pros) também pediu empatia com os agentes. “Nós consideramos o que ocorreu em Milagres uma tragédia e que deve sim ser apurado, mas jamais se condenar sumariamente policiais que estavam trabalhando para defender a população. Nós precisamos ter o mínimo de empatia com esses profissionais, que foram para uma ocorrência com pessoas preparadas para matar os policiais. É lamentável ver parte da imprensa agindo de má fé, insinuar que os policiais sabiam que tinha reféns com os bandidos”, apontou.   O confronto entre policiais e assaltantes em uma agência bancária, durante a madrugada, acabou tirando a vida tanto de criminosos quanto de inocentes. Das 14 pessoas mortas, seis foram identificadas como reféns do grupo de assaltantes, com cinco delas sendo da mesma família e tendo tido intenção de passar as férias no Ceará. O caso fez com que o Governo do Estado decidisse afastar das atividades 12 policiais que participaram do tiroteio. O afastamento, segundo divulgado pelo Governo, continuará até a conclusão das investigações sobre o caso. Os profissionais deverão atuar, durante esse período, em processos administrativos. As investigações serão tocadas pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e pela Controladoria Geral de Disciplina (CGD).   Pouco após o ocorrido, o governador Camilo Santana gerou polêmica ao fazer declarações sobre o assunto. Ele havia dito que não estava ciente da existência de reféns na situação e que achava “estranho um refém de madrugada num banco”. Ele afirmou, ainda, que “o fato é que [os criminosos] estavam preparados para assaltar dois bancos e não conseguiram”.   Após repercussão negativa, o governador se retratou, admitindo que as declarações que fizera foram “infelizes”. “De forma infeliz disse aquilo, mas peço desculpas à família. Quem me conhece sabe do meu respeito às pessoas e da minha defesa à vida”, disse.   O pedido de desculpas, no entanto, não foi o suficiente para alguns parlamentares. O vereador Márcio Cruz (PSD) apresentou, na Câmara Municipal, requerimento para enviar moção de repúdio à fala. Segundo o parlamentar, as declarações de Camilo foram inadequadas. “Ele deveria ter se solidarizado com a família e não questionar o fato dos reféns estarem no banco naquele horário. E hoje vi nos jornais que o próprio governador reconheceu que foi uma fala infeliz. E mais uma vez isso mostra o quão deficitária é a segurança no nosso Estado”, declarou.   Crítica parecida foi feita por Fernanda Pessoa que sugeriu “despreparo” na postura do governante, na situação. A deputada ponderou, no entanto, que foi fundamental a atitude do Governo em afastar os 12 policiais que atuaram no caso.
Lido 1789 vezes

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

As mudanças de hábito promovidas pela pandemia da Covid-19 serão incorporadas pela sociedade?


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500