Fortaleza, Sábado, 11 Julho 2020

Pesquisar

Alcance ENEM

Combate COVID-19

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Combate e prevenção à tortura são debatidos em audiência pública - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Segunda, 27 Junho 2016 18:41

Combate e prevenção à tortura são debatidos em audiência pública

Avalie este item
(0 votos)
Foto: Dário Gabriel. Foto: Dário Gabriel.
A minuta da lei que pretende instituir o Sistema Estadual de Prevenção e Combate à Tortura e Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura (MECPT) no Ceará foi apresentada em audiência pública nesta segunda-feira (27/06), pela Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. O debate ocorreu em alusão ao Dia Internacional de Combate à Tortura, celebrado em 26 de junho.

O deputado Renato Roseno (Psol), autor do requerimento, classificou a data como “dia de memória e projeção” e “uma forma de luta pela dignidade humana”. “A tortura é uma das práticas mais covardes que existem na história da humanidade. Sempre foi utilizada por aquele que tem poder sobre o outro, para infringir sofrimento físico ou mental, com intuito de causar dor. Quando se autoriza torturas e linchamentos, nos desumanizamos”, classificou o deputado.

O coordenador do Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura (MNPCT), Rafael Barreto, apresentou a forma de trabalho do órgão. O mecanismo foi instituído pela lei 12.847/2013, que criou também o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura. Atualmente, o MNPCT conta com 11 peritos em todo o Brasil, que fazem visitas em locais de privação de liberdade, como presídios e centros socioeducativos.

Barreto afirmou ainda que a função do MNPCT é mais preventiva de atos de tortura que denunciativa. A partir das visitas, são produzidos relatórios e recomendações às autoridades competentes. Os relatórios são públicos e estão disponíveis no site do Ministério da Justiça.

Uma das principais linhas de trabalho do MNPCT é fortalecer os atores locais, conforme Rafael. “Com 11 membros, é impossível darmos conta de todo o território nacional”, reconheceu. Atualmente, apenas dois estados têm MEPCT: Pernambuco e Rio de Janeiro.

A coordenadora do Mecanismo Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Rio de Janeiro, Vera Lúcia Alves, lembrou que o órgão foi criado há cinco anos (lei 5778/2010), por lei aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Entre as conquistas do mecanismo apontadas por Vera Lúcia, está o fim das revistas vexatórias de visitantes de presídios, com a adoção de scanners corporais.

Ainda segundo Vera, o fato de o órgão ser vinculado a uma Casa Legislativa facilita o trabalho, para que o mecanismo possa “trabalhar com independência”. “O público que queremos atingir são as famílias. É importante estar em uma Casa Legislativa, onde o povo não tem medo de ir. Os familiares são nossos olhos dentro das unidades prisionais. Eles têm grande confiança no nosso trabalho”, ressaltou Vera.

Para o presidente do Comitê Estadual de Prevenção de Combate à Tortura, Sérgio da Silva, o Ceará deu o primeiro passo com a criação do comitê, por meio de decreto lei (30.573/2011). Porém, segundo ele, o órgão não é suficiente para fazer uma atuação específica e direta em todas as unidades prisionais. “A criação desses mecanismos é uma redução de danos, uma política humanitária que deve ser implementada no Estado do Ceará. Desde 2012, o comitê realiza visitas em unidades prisionais, mas de forma precária. Temos apoio logístico da Secretaria de Justiça. Mas precisamos de independência e autonomia por conta das dificuldades enfrentadas”, afirmou Sérgio.

Durante a audiência, a minuta do projeto de lei foi apresentada pelo advogado Acácio Pereira, assessor jurídico do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca-CE). Segundo ele, o MECPT deverá ser um órgão de Estado autônomo, composto de peritos que deverão realizar visitas regulares, nos moldes do MNPCT.

Participaram ainda da audiência pública o coordenador especial de políticas públicas dos direitos humanos do estado do Ceará, Demitri Cruz; o presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará (Copen), José Cláudio Souto Justo; a presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, Marileide Luz.

Também prestigiaram o debate a titular da Controladoria Geral de Disciplina (CGD), Socorro França; o coordenador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV), da Universidade Federal do Ceará (UFC), professor César Barreira; o delegado Hugo Linard, representando a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS); e Aline Miranda, representando a Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus).

LF/AP

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 1872 vezes Última modificação em Terça, 28 Junho 2016 17:36

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

A pandemia da Covid-19 trouxe mudanças no cotidiano da sociedade (o home office é uma delas). Você acha que o trabalho remoto veio para ficar?


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500