Fortaleza, Terça-feira, 23 Outubro 2018

Pesquisar

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quarta, 06 Dezembro 2017 18:01

Conselhos criticam oferta de ensino a distância na área da saúde

Avalie este item
(0 votos)
Audiência foi realizada no Complexo de Comissões Técnicas da Casa Audiência foi realizada no Complexo de Comissões Técnicas da Casa Foto: Marcos Moura
A qualidade do ensino superior a distância em cursos da área da saúde foi debatida em audiência pública na Comissão de Seguridade Social e Saúde da Assembleia Legislativa, na tarde desta quarta-feira (06/12). O evento atendeu requerimento do presidente do Colegiado, deputado Carlos Felipe (PCdoB).  

Para o deputado, essa modalidade de ensino traz prejuízos a vários segmentos. “A primeira vítima é a população, que vai ser tratada por pessoas que não foram adequadamente formadas; depois, a pessoa que faz o curso, que muitas vezes não está regularizado no Ministério da Educação; e, por último, os profissionais de saúde, pois estão colocando no mercado profissionais muito além da necessidade, gerando uma massa de desempregados”, criticou.

O coordenador nacional da Associação Brasileira de Ensino Farmacêutico (ABEF), Paulo Arraes, lembrou que o ensino a distância no Brasil começou a ser discutido com a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) de 1996, mas apenas com o Decreto nº 9.057/2017 a modalidade foi regulamentada.

O texto autoriza a criação de polos de educação a distância, que devem ser geridos pelas próprias instituições já credenciadas para essa modalidade de ensino. Segundo Paulo Arraes, em 2015, o Conselho Federal de Enfermagem realizou vistoria em polos que ofertam ensino superior nessa área em todo o Brasil e constatou que os cursos não cumprem o que está escrito na legislação. “Os polos não tinham a menor condição de funcionamento”, alertou.

A regulamentação prevê ainda que apenas as instituições sedes que oferecem educação a distância serão avaliadas pelo Ministério da Educação, e os polos não passam por vistorias. “É lá que temos que constatar se tem infraestrutura e o recurso humano necessário para funcionar. O Conselho Federal de Enfermagem questiona se o MEC tem condições de avaliar isso”, comentou Arraes.

Paulo Arraes defendeu que procedimentos ligados à área da saúde só podem ser feitos presencialmente. “Lidamos com vida das pessoas na área da saúde. A prática e o momento de contato com paciente são muito importantes, não dá pra fazer nenhum procedimento a distância”, afirmou. Segundo ele, o marco legal do ensino a distância define a necessidade de momentos presenciais nesses cursos, como aulas em laboratório, avaliações e estágios.

O presidente do Conselho Regional de Psicologia, Diego Mendonça Viana, enfatizou que a discussão sobre educação a distância não foi feita de forma adequada com a sociedade e novos cursos estão surgindo sem controle do Ministério da Educação (MEC). “Não se pode construir política pública de educação para a formação de trabalhadores sem que haja um efetivo debate com a sociedade”, opinou Diego.

De acordo com a vice-presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito 6), Luzianne Feijó, no Ceará, um número expressivo de acadêmicos de cursos presenciais estão migrando para o ensino a distância, que oferecem mensalidades entre 50% e 75% mais baratas. “É um grande atrativo. O sonho desses jovens em ter uma profissão e exercê-la está sendo corrompido, fora o risco a que está sujeita a população", lamentou.

Também participaram da audiência pública a representante da Comissão de Saúde da OAB/CE, Eunice Carneiro Fernandes; o representante do Conselho Federal de Farmácia, Luiz Cláudio Mapurunga; o gerente de fiscalização do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Adailson Vieira da Silva; a representante do Conselho Municipal de Saúde, Cristina Brasil; e a presidente do Conselho Regional de Serviço Social, Cynthia Studart.

LF/GS

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 289 vezes Última modificação em Quinta, 07 Dezembro 2017 14:17

Portal do Servidor

Eleições 2018

Enquete

O Brasil tem leis proibindo o trabalho infantil, entretanto muitas crianças continuam a ser exploradas. Como evitar a prática?

Conselhos criticam oferta de ensino a distância na área da saúde - QR Code Friendly


 

  29ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500