Fortaleza, Quinta-feira, 02 Abril 2020

Pesquisar

Alcance ENEM

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Celebração do 1º de maio na AL alerta para redução de direitos dos trabalhadores - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quarta, 09 Mai 2018 19:56

Celebração do 1º de maio na AL alerta para redução de direitos dos trabalhadores

Avalie este item
(0 votos)
Celebração do 1º de maio na AL alerta para redução de direitos dos trabalhadores Foto:Marcus Moura
O Dia Mundial do Trabalho – 1º de maio – foi celebrado nesta quarta-feira (09/05), durante sessão solene no Complexo de Comissões Técnicas da Assembleia Legislativa. O evento atendeu a requerimento da deputada Rachel Marques (PT).

De acordo com a parlamentar, a solenidade tem mais um tom de denúncia do que de comemoração, tendo em vista a atual conjuntura política e econômica do Brasil. “Celebrar esse 1º de maio aqui nessa Casa Legislativa é também trazer as lutas importantes, trazer toda a resistência do povo trabalhador do nosso País, que está enfrentando esse golpe e que está defendendo suas bandeiras e nossa democracia”, salientou. Rachel Marques também destacou que, atualmente, o Brasil conta com uma força de trabalho superior a 100 milhões de pessoas, mas apenas 33 milhões possuem carteira assinada.

A representante do Sindicato dos Comerciários de Fortaleza, Ruth Oliveira, ressaltou que a reforma trabalhista afetou negativamente os trabalhadores do comércio, resultando no desemprego de mais de 30% dos comerciários do Centro de Fortaleza com carteira assinada. Ruth criticou ainda a decisão de abrir o comércio para funcionamento 24h, já que não houve diálogo com a sociedade civil.

Para a presidente do Sindicato dos Jornalistas (Sindjorce), Samira de Castro, é preciso contextualizar a atual situação política e econômica do Brasil com o que aconteceu em 2015, quando houve a aplicação de um golpe “misógino e contra a classe trabalhadora do País”. Samira destacou ainda que o golpe teve e tem grande apoio da mídia empresarial, a qual busca convencer a população de que a reforma trabalhista foi algo positivo para a sociedade.

Já o diretor de comunicação do Sindicato Mova-se, Pádua Araújo, comentou sobre a proposta de emenda constitucional que congela investimentos em educação e saúde, mas não altera a dívida pública. “É necessário que haja um processo de revisão popular, uma auditoria dessa dívida pública, porque são recursos econômicos do nosso orçamento público que poderiam estar sendo destinados hoje à saúde, educação, saneamento básico e melhoria dos salários”, explicou.

A representante da Frente Brasil Popular no Ceará, Joyce Ramos, destacou que o 1º de maio deste ano marca os 200 anos de nascimento de Karl Marx, teórico precursor da unidade do proletariado. Joyce comentou ainda sobre a construção de um Congresso do Povo que vise dialogar com a sociedade, vinculando os problemas da conjuntura política aos problemas do dia a dia.

Segundo a presidente da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam), Vilani Oliveira, a reforma trabalhista vem resultando na perda de qualidade de vida, no aumento da pobreza, na fome, no desemprego e em empregos precários. “Esse é o retrato do novo Estado que está sendo construído pós-desmonte. Um Estado não mais como precursor para reduzir as desigualdades sociais, mas um Estado pequeno, diminuto, enxuto, com novo perfil voltado para salvar a elite empresarial. Nesse novo Estado não cabe trabalhador, não cabe direitos sociais”, salientou.

O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Luciano Simplício, apontou que, seis meses após a aprovação da reforma trabalhista, não houve melhorias efetivas para a classe trabalhadora. “Em um semestre, eles prometeram criar mais empregos, mas o que se viu foi o seguinte: 20 mil vagas de trabalho intermitente, enquanto na outra ponta fecharam 145 mil vagas de contratos convencionais”, avaliou.

A secretária da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Carmem Santiago, criticou a venda de uma falsa imagem de um Estado equilibrado financeiramente e também a criminalização dos movimentos sindicais. Carmem comentou também que o Brasil está vivendo “o verdadeiro avanço do capital contra a classe trabalhadora”, mas que ainda há muita resistência.

O procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT/CE), Antônio de Oliveira Lima, avaliou que muitos trabalhadores pensam equivocadamente que não possuem mais direitos. “Esse discurso também foi vendido. É preciso esclarecer para os trabalhadores que, apesar dos grandes prejuízos, os direitos estão aí, mas eles são construídos na luta do dia a dia”, enfatizou.

Várias lideranças de trabalhadores também se manifestaram durante a solenidade para criticar a precarização do trabalho no Brasil.

BD/CG

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 719 vezes Última modificação em Quinta, 10 Mai 2018 14:31

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

Você já está adotando as medidas preventivas pra evitar a propagação do vírus Covid-19(Coronavírus)?

Sim, tenho usado álcool gel e lavado as mãos com água e sabão evitado ambientes fechados e aglomerados - 90%
Não, acho que tem muito alarmismo, prefiro aguardar - 10%
A votação para esta enquete foi encerrada em: %23 %b %2020 - %10:%Mar


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500