Fortaleza, Quarta-feira, 20 Novembro 2019

Pesquisar

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Quarta, 19 Setembro 2018 18:35

Violência é discutida em audiência pública na Assembleia

Avalie este item
(0 votos)
Violência é discutida em audiência pública na Assembleia foto : Marcos Moura
A violência, tema da Campanha da Fraternidade e do Grito dos Excluídos de 2018, e os diversos fatores que contribuem para que o cotidiano de violências vitime tantas pessoas foram debatidos durante audiência pública realizada nesta quarta-feira (19/09), de forma conjunta pela Assembleia Legislativa e Câmara Municipal de Fortaleza.

O debate, realizado no Complexo de Comissões Técnicas da AL, foi promovido pela Comissão de Direitos Humanos, por meio de requerimento da deputada Rachel Marques (PT) e do vereador Guilherme Sampaio (PT).

A deputada Rachel Marques ressaltou os temas da Campanha da Fraternidade, “Fraternidade e Superação da Violência”, e do Grito dos Excluídos, “Vida em primeiro lugar". Segundo a parlamentar, essas mobilizações alertam para temas importantes e trazem as denúncias, a indignação e o grito também para a AL. 

O deputado Renato Roseno (Psol), vice-presidente do Colegiado, ressaltou que a violência tem recorte de classe, raça, gênero e local de moradia, o que reflete a desigualdade histórica da América Latina. “É muito importante ampliarmos as vozes para uma alteração profunda do modelo de segurança pública, para que passemos a adotar políticas mais preventivas e promotoras”, afirmou.

O deputado indicou que está tramitando na AL, desde o mês passado, o projeto de lei 234/2018, de sua autoria, que institui a Política Estadual de Controle de Armas de Fogo. Para o parlamentar, ideias simplistas, simplórias e rasas não conseguem enfrentam a questão da violência.

O vereador Guilherme Sampaio (PT), requerente da audiência na Câmara Municipal, afirmou ser imprescindível a articulação política para que o tema da violência seja tratado como prioridade nos parlamentos e nos governos municipal e estadual. Segundo ele, é preciso costurar um pacto de enfrentamento às violências a partir de diagnósticos como o produzido pelo Comitê de Prevenção de Homicídios na Adolescência, da AL. 

O jornalista e sociólogo Ricardo Moura, pesquisador e membro do Fórum Popular de Segurança Pública, indicou que, há 20 anos, o primeiro Mapa da Violência apresentava o Ceará com 941 mortes. Em 2017, foram 981 mortes no Estado somente na faixa etária de 10 a 19 anos, sendo 5.134 no total. O pesquisador afirmou ainda que é preciso que a sociedade reconheça a questão e que haja decisão política para que sejam tomadas decisões.

“Há uma ideia perigosa de apontar a vinda das facções como motivo da violência no Estado”, indicou Ricardo Moura, complementando que as facções se aproveitaram no Ceará de uma situação de décadas de descaso do Poder Público e de uma juventude vulnerável.

Ana Vládia Holanda Cruz, do Comitê pela Desmilitarização da Polícia e da Política, ressaltou que “a violência não afeta todos da mesma maneira e tem forte relação com a ausência de direitos básicos. A violência começa no abandono”.

O assessor da Conferência Nacional dos Bispos (CNBB) no Ceará, Vicente Flávio, reiterou que existem diagnósticos e propostas para o enfretamento às violências, mas essas proposições precisam ganhar força política para se tornarem realidade. “Temos urgência de efetivá-las”, indicou.

A vereadora de Fortaleza Larissa Gaspar (PPL) reiterou que vulnerabilidade, desigualdade e injustiça social geram violência. “Temos legislações excelentes, mas o que falta é execução. Nosso papel é somar forças para que as cobranças façam com que as políticas aconteçam”, afirmou.

A audiência pública contou ainda com a participação e contribuição de Regilvânia Mateus, da CNBB/CE; de Lúcia Bertini, da Secretaria de Justiça e Cidadania do Ceará (Sejus), e do pastor da Igreja Presbiteriana Independente e coordenador do projeto Eu Sinto na Pele, Reginaldo Silva.

SA/LF

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 534 vezes Última modificação em Quinta, 20 Setembro 2018 13:15

Portal do Servidor

Eventos Novembro

Enquete

Como garantir a punição para quem promove violência nos estádios?

Violência é discutida em audiência pública na Assembleia - QR Code Friendly


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500