Fortaleza, Sábado, 16 Novembro 2019

Pesquisar

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Segunda, 21 Outubro 2019 12:06

Autoridades defendem estratégias para fortalecer produção de mel no Ceará

Avalie este item
(0 votos)
Audiência pública debate situação da apicultura no Estado do Ceará Audiência pública debate situação da apicultura no Estado do Ceará Foto: Paulo Rocha
A situação da apicultura no Estado do Ceará e os projetos desenvolvidos na área foram tema de audiência pública realizada na manhã desta segunda-feira (21/10) na Assembleia Legislativa. Segundo o propositor do debate, deputado Acrísio Sena (PT), 90% da produção agrícola do Estado vem da agricultura familiar, e esta produção de mel precisa ser integrada, com planejamento, às estratégias de desenvolvimento rural do Governo do Estado.

Para ele, toda a cadeia produtiva da apicultura precisa ser discutida, focando em suas principais particularidades. “A principal pauta deste segmento é a exportação, sendo fundamental a integração estratégica entre produtores, comerciantes, além dos que gerenciam e planejam esta cadeia”, salientou.

O presidente da Federação dos Apicultores do Ceará (Fecap), Irineu Fonseca, apontou que são reais os problemas de comercialização e de documentação que afetam a produtividade do segmento, mas que os apicultores são conhecedores dos desafios que se apresentam e estão engajados em enfrentar as adversidades.

“Precisamos encontrar um norte para a nossa atividade, saber para onde queremos ir, quais objetivos pretendemos alcançar. A apicultura do Ceará precisa ter claro qual nível quer atingir, porque temos problemas em todos os municípios do Estado, e é importante termos um direcionamento de ações”, avaliou Irineu Fonseca.

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec), Flávio Saboya, o Estado está naturalmente adaptado à apicultura, não tendo muitos problemas sérios em relação ao uso indiscriminado de defensivos agrícolas. Segundo ele, o mel cearense tem um aroma e um sabor atípicos. Ele apontou preocupação, porém, com as quedas de exportação.

“Ou nos organizamos ou não vamos avançar. Nossos pontos mais sensíveis são a comercialização e a organização, que precisam ser resolvidas, com a união de todos em prol de um único objetivo, caso contrário outras pessoas vão ganhar dinheiro nas nossas costas”, assinalou Flávio Saboya.

O presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce), Antônio Rodrigues de Amorim, comentou que o mundo passou a produzir mel, impactando no mercado do produto.

“Um debate importante que pode ser construído está relacionado com o consumo interno do mel para o fortalecimento do mercado interno. O nosso consumo é muito baixo, e em qualquer lugar do mundo o consumo é bem mais elevado que o nosso, sendo uma variável que chama muito a atenção”, alertou Antônio Amorim.

O supervisor de Inclusão Econômica do Projeto São José, Secretaria do Desenvolvimento Agrário do Estado (SDA), Raimundo Félix, reconheceu a queda acentuada na produção apícola dos últimos 10 anos, enfatizando que isso se deve à falta de pastos apícolas. Ele considerou fundamental investir nestes pastos, diversificando a alimentação das abelhas.

Raimundo Félix apresentou ainda os principais investimentos do Projeto São José, de 2012 a 2019. “Investimos em 55 casas de mel e dois entrepostos. Além disso vamos fazer um mutirão para termos serviços de inspeção em todas as 57 construções do projeto a serviço de grande parte dos apicultores cearenses”, destacou Raimundo Félix.

Ele acrescentou ainda que foram distribuídas 41 mil mudas apícolas para serem plantadas como compensação ambiental no Estado, para a diversificação do pasto apícola. “Foram distribuídas ainda mais de 12 mil colmeias para todo o Estado, e o número de famílias beneficiadas com todas estas ações chega a 914”, registrou.

Estiveram presentes ainda à audiência, a engenheira agrônoma da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Cristina Diniz; o presidente do Conselho Temático de Agronegócio (Conag) da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Bessa Júnior; a representante da Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (Sema), Celiane Freire Martins.

Também participaram do debate o presidente do Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec), Silas Barros; o diretor da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), José Amorim; o diretor da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Ricardo Sales; o representante do Instituto Agropolos do Ceará, Afraudízio Soares; entre outras autoridades.
RG/LF

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 323 vezes Última modificação em Segunda, 21 Outubro 2019 15:58

Portal do Servidor

Eventos Novembro

Enquete

Senado Federal analisa mudanças na pena de condenadas grávidas ou mães com filhos até seis anos. Você concorda?

Autoridades defendem estratégias para fortalecer produção de mel no Ceará - QR Code Friendly


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500